fbpx

Programa

Vamos promover o diálogo entre a teoria e a prática, a ética e a política, o passado e o futuro.

A discussão irá partir de desenvolvimentos e situações recentes, oferecendo perspetivas plurais em matérias de conflito político e responsabilidade perante os outros, com os oradores a tomarem parte em discussões cujo objetivo é o de alcançar soluções concretas para questões de justiça global, que poderão ser resolvidas localmente ou envolver desafios de natureza transnacional.



A CIMEIRA DA JUVENTUDE É APRESENTADA POR DIRK VAN DIERENDONCK

AS CONFERÊNCIAS DO ESTORIL SÃO APRESENTADAS POR CLARA DE SOUSA

Dia 1
27 Maio 2019
Dia 2
28 Maio 2019
Dia 3
29 Maio 2019

Cimeira da Juventude e Abertura

As conferências iniciam com a Cimeira da Juventude, um momento exclusivamente dedicado às novas gerações, incentivando a sua participação na organização de importantes debates. As Conferências do Estoril promovem a participação ativa dos jovens em discussões sobre problemas que os afetam diretamente. Os participantes irão apresentar as suas perspetivas e ideias, juntando-se ao debate sobre o nosso futuro coletivo. Durante a tarde, alguns convidados especiais irão analisar a forma como problemas de justiça global se traduzem em localizações particulares e a necessidade de encontrar soluções concretas e especializadas.
08:00 - 09:00

Acreditação

Abertura da Cimeira da Juventude

Dar Poder à Juventude

Secretário de Estado da Juventude e do Desporto de Portugal (Portugal)

Vereador da Câmara Municipal de Cascais nas Áreas de Intervenção Territorial, Promoção de Emprego, Juventude e Desporto (Portugal)

Embaixadora da Nova School of Business and Economics (Portugal)

Nuno Piteira Lopes
João Paulo Rebelo
Francisca Anselmo
Dirk van Dierendonck

Debate

Mudar o mundo através da educação

A educação abre as nossas mentes e desenvolve a nossa capacidade de ver o mundo sob diferentes perspetivas, guiando as nossas decisões e ações futuras. A educação promove a inovação e a produtividade, possibilita mudanças sociais positivas, e encoraja a participação política, a igualdade social e a sustentabilidade ambiental – repercutindo-se não apenas ao nível individual, mas em toda a sociedade. Nas palavras de Nelson Mandela, “a educação é a arma mais poderosa que temos a nosso dispor para mudar o mundo”. De que forma pode a educação mudar o mundo?

Ativista para a Educação e a Paz (Paquistão)

Surfista Profissional (Portugal)

Representante da União Europeia na Y20 – Cimeira de Jovens Líderes do G20 em Tóquio 2019 (Portugal)

Comissária da Capital Europeia da Juventude Cascais 2018

Moderador

Embaixador da Nova School of Business and Economics (Portugal)

Chair

Catarina Marques Vieira
Manuel Felgueiras
Teresa Bonvalot
Pedro Espírito Santo
Ahmad Nawaz
11:00 - 11:30

Intervalo

Diálogo Global

Apoiar os novos changemakers

Problemas de justiça global tais como as desigualdades económicas estruturais, o desenvolvimento tecnológico e a crise climática são também questões de justiça intergeracional. Uma nova geração de jovens politizados começa a reivindicar o seu direito a um futuro digno. Se é verdade que os Estados e as instituições estão cada vez mais cientes do poder destas jovens vozes, falta-lhes ainda reconhecer que os modelos de governo vigentes são insustentáveis e devem ser abandonados, e que a mudança deve começar agora. O que podemos fazer para cumprir os nossos deveres para com as novas gerações?

Diretor Executivo da Amnistia Internacional Portugal (Portugal)

Gestor do Programa de Cooperação da Juventude do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa (Itália)

Vereador da Câmara Municipal de Cascais nas Áreas de Habitação e Desenvolvimento Social, Promoção de Saúde e Educação

Moderador

Frederico Pinho de Almeida
Graziano Tullio
Pedro Neto

Como podemos resolver a Crise Global de Aprendizagem: Lições da rede Teach for All

O Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial de 2018, realizado pelo Banco Mundial, adverte para uma crise global da aprendizagem. Apesar disso, a comunidade internacional não encara a educação como um desafio global urgente que requer soluções a longo-prazo. A Teach for All é uma rede global de 50 parceiros independentes, de todo o mundo, que partilham a missão de desenvolver liderança coletiva de modo a garantir que todas as crianças poderão realizar o seu potencial. O que nos têm eles a dizer acerca do modo como o investimento no desenvolvimento de liderança local e a partilha de soluções além-fronteiras pode ajudar a alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, em particular o ODS4 – garantir o acesso à educação inclusiva, de qualidade e equitativa?

Membro da Direção da Teach for All (Espanha)

Diretor e Cofundador da Teach for All Portugal (Portugal)

Moderador

Pedro Almeida
Javier Roglá Puig

Keynote Especial

“Façam barulho.”

Uma sociedade inclusiva implica que toda a gente tenha aquilo de que necessita para desenvolver os seus projetos de vida de acordo com a sua cultura e valores. Isto pode ser alcançado através de uma mudança de paradigma educacional, e é esta a missão das Scholas Ocurrentes. Será possível mudar o mundo se mudarmos o tipo de educação que oferecemos aos jovens?

Diretor Mundial de Scholas Occurrentes (Argentina)

Jornalista da SIC (Portugal)

Moderador

Joaquim Franco
José María del Corral
13:00 - 14:00

Almoço

Cerimónia de Atribuição do Estoril Global Issues Distinguished Book Prize

Future Politics: Living Together in a World Transformed by Tech tenta responder à complexa questão relativa ao modo como a tecnologia digital irá transformar a política e a sociedade no futuro. Num mundo em que certas tecnologias têm cada vez mais poder sobre as nossas vidas, quem as controlar terá porventura controlo sobre nós. Ditará os limites da nossa liberdade, os seus algoritmos poderão resolver questões de justiça social, e talvez possam decidir o futuro da democracia. O que significará ser livre e igual no futuro?

Autor de Future Politics: Living Together in a World Transformed by Tech (Reino Unido)

Jornalista da TSF (Portugal)

Discussant

Professor Catedrático de Economia e Negócios Internacionais na Nova School of Business and Economics (Portugal)

Chair

Ricardo Alexandre
Jamie Susskind
José Tavares

Debate

Desafios Lusófonos

A comunidade lusófona está construída sobre uma história, uma linguagem e valores partilhados e apresenta-se como exemplo de cooperação entre países que trabalham em conjunto para superar as suas diferenças. No entanto, um maior esforço é necessário para alcançar os objetivos de desenvolvimento sustentável, incluindo a erradicação da pobreza e a rejeição de desigualdades. Um dos maiores desafios enfrentados pelos países lusófonos é o desenvolvimento de um espaço de justiça comum que aprofunde este verdadeiro sentido comunitário. De que forma é que podemos cumprir todos estes desafios?

Presidente da Câmara Municipal de Cascais (Portugal)

Escritor e Jornalista (Angola)

Cantora e Compositora (Brasil)

Subdiretor de Informação na TSF (Portugal)

Moderador

Anselmo Crespo
Carlos Carreiras
José Eduardo Agualusa
Adriana Calcanhotto

Debate

Prémios Pritzker discutem Arquitetura e o Direito à Felicidade

A arquitetura está profundamente interligada com as nossas vidas quotidianas, refletindo e até mesmo produzindo desigualdades sociais, na medida em que influencia o modo como vivemos o nosso dia-a-dia.  É por isso também capaz de construir vidas melhores para pessoas em situações de vulnerabilidade, e por isso ajudar a construir um mundo mais justo. Dois dos mais distintos arquitetos e pensadores irão discutir a relação complexa que a arquitetura mantém com a justiça global – designadamente, problemas relacionados com a pobreza, a tecnologia e as alterações climáticas – partilhando os seus projetos e experiências pessoais.

Prémio Pritzker 1992 (Portugal)

Prémio Pritzker 2011 (Portugal)

Arquiteta e Professora Auxiliar na Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa (Portugal)

Moderador

Vereadora da Câmara Municipal de Cascais nas Áreas de Gestão Territorial, Inteligência Territorial e Ordenamento do Território (Portugal)

Co-Chair

Arquiteto e Autor do Projeto da Nova School of Business and Economics

Co-Chair

Filipa Roseta
Vítor Carvalho Araújo
Eduarda Lobato de Faria
Eduardo Souto de Moura
Álvaro Siza Vieira
16:45 - 17:15

Intervalo

Receção de Boas-Vindas

Dez Anos de Conferências do Estoril

Desde a sua primeira edição em 2009, as Conferências do Estoril demonstraram que as respostas locais são capazes de oferecer soluções para os desafios globais que partilhamos, estabelecendo o diálogo como o mais importante motor de mudança. Estamos aqui para mudar o mundo, e não iremos desistir desse objetivo. Está pronto para se juntar a nós?

Vice-Presidente da Câmara Municipal de Cascais (Portugal)

Miguel Pinto Luz

Keynote Especial

Violência Sexual: uma Arma de Guerra e Conflitos Armados

Denis Mukwege é um dos mais importantes ativistas pelos direitos humanos e pela igualdade de género, defendendo uma maior proteção dos direitos das mulheres e a responsabilização dos perpetradores pelo sistema de justiça. Ao longo dos anos, ajudou milhares de vítimas de violência sexual em conflitos armados, condenando veementemente a impunidade perante crimes de guerra possibilitada pela ausência de um estado de direito e pelo colapso dos valores tradicionais. Em 2018 foi galardoado, juntamente com Nadia Murad, com o Prémio Nobel da Paz. No seu discurso de aceitação deixou uma pergunta: De que é que o mundo está à espera para reconhecer a utilização da violência sexual como uma arma?

Prémio Nobel da Paz 2018 (República Democrática do Congo)

Participação especial de

DALAL KHAIRO

Escritora e Estudante (Iraque)

Jornalista e Comentador Televisivo (Portugal)

Moderador

Nuno Rogeiro
Dalal Khairo
Denis Mukwege

Cerimónia de Abertura

Ninguém ficará para trás

Ter em conta diferentes perspetivas e interesses é provavelmente a mais árdua tarefa quando se discute justiça global. Os chefes de Estado e de governo são os primeiros responsáveis por responder a esse desafio, e é-lhes exigida a capacidade de dar voz a preocupações globais com a integridade adequada. O que os une a ativistas no terreno no que diz respeito à proteção de direitos humanos e materialização de justiça global? A questão deve inevitavelmente começar por não deixar ninguém para trás.

Presidente da República Portuguesa (Portugal)

Presidente da República da Croácia e Membro do Conselho Consultivo Internacional das Conferências do Estoril 2019 (Croácia)

Presidente da Câmara Municipal de Cascais (Portugal)

Carlos Carreiras
Kolinda Grabar-Kitarović
Marcelo Rebelo de Sousa

“Justiça para a Venezuela” por Juan Guaidó *

O rosto principal da oposição na Venezuela irá juntar-se a nós via livestream para analisar a luta de poder e o estado de paralisia económica que aí se vive. Enquanto as potências mundiais tomam partido no conflito, Guaidó está disposto a arriscar o aumento da instabilidade no país em nome da liberdade. Será que a sua solução é a mais adequada para resolver a crise venezuelana?

Presidente da Assembleia Nacional da República Bolivariana da Venezuela & Presidente Interino nomeado pela mesma Assembleia Nacional (Venezuela)

Jornalista e Comentador Televisivo (Portugal)

Moderador

* sujeito a confirmação

Nuno Rogeiro

Pensar na Justiça: O que devemos uns aos outros?

O segundo dia de conferências será dedicado ao debate sobre a interdependência entre direitos e deveres humanos. Falar de justiça global implica o reconhecimento de que, paralelamente aos direitos, também existem deveres. O que deve ser valorizado e priorizado se quisermos ver mudanças concretas no mundo: o que devemos uns aos outros? A questão será tratada tanto à escala global como local, e as discussões terão em consideração a dimensão coletiva e individual dos deveres, com o objetivo de analisar os fracassos e as vitórias da humanidade na proteção dos direitos humanos.
08:00 - 09:00

Acreditação

Debate

Discutir os Direitos e Deveres Humanos

Numa altura em que se toma a universalidade dos direitos humanos por garantida, o seu significado é posto em causa por uma série de políticas que levam o mundo a questionar a eficácia de abordagens multilateralistas: desde a política migratória dos Estados Unidos à intolerância para com minorias sexuais na Chechénia. Para além disso, a aparente arbitrariedade de ações políticas de alto-nível levanta questões relativas à legitimidade das próprias leis universais uma vez que eventos extremos tais como atos terroristas ou a atroz guerra na Síria, fomentam a tentação de desconsiderar estes princípios abstratos. O que são então direitos humanos? Porque é que os devemos defender? E como é que se relacionam com os deveres humanos?

Presidente da República da Eslovénia 2007-2012 e Membro do Clube de Madrid (Eslovénia)

Diretor-Fundador do Instituto Tsinghua de Estudos Avançados em Humanidades e Ciências Sociais (China)

Advogado e Professor de Direito na Universidade Católica Portuguesa (Portugal)

Jornalista e Diretora da Revista Visão (Portugal)

Moderador

Professora Auxiliar de Comunicação, Liderança e Ética, na Nova School of Business and Economics e Colunista no Observador (Portugal)

Chair

Mafalda Anjos
Laurinda Alves
João Taborda da Gama
Danilo Türk
Wang Hui

Keynote Especial

Justiça Fiscal e Direitos Humanos: Combater a Evasão Fiscal, defender os Valores Europeus

A globalização tem vindo a deteriorar a soberania dos Estados, impedindo a implementação de políticas fiscais mais progressivas. Partindo do princípio de que a justiça fiscal implica a aplicação de impostos progressivos, é fundamental combater a evasão fiscal e definir impostos mais elevados sobre a riqueza, a propriedade e os rendimentos mais altos. Estas são reivindicações prementes no contexto da União Europeia, onde a tentativa de criar uma União Fiscal e Bancária deu lugar à promoção da competição entre Estados Membros e favorece desigualdades e ressentimento doméstico. De que modo podemos lutar contra a evasão fiscal ao mesmo tempo que defendemos os valores europeus? Será que o modelo social europeu ainda é fiscalmente sustentável?

Comissário Europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros, Fiscalidade e Costumes (França)

Subdiretor de Informação na SIC (Portugal)

Moderador

Pierre Moscovici
Bernardo Ferrão

Keynote Especial

Empoderamento Feminino 2.0: percorrer o caminho das Women without Borders

A ausência de mulheres nos lugares de decisão política é há muito evidente, e é daí que continuam a surgir medidas que favorecem estratégias agressivas de securitização. Tais políticas são frequentemente nocivas para as próprias comunidades a que se propõem prestar auxílio. A prevenção da violência e do extremismo deve, por isso, envolver uma arquitetura de segurança centrada na construção de confiança e acesso ao nível local. Qual é o papel das mulheres e das mães na prevenção do extremismo violento ao nível comunitário?

Fundadora e Diretora da ONG Women Without Borders (Áustria)

Edit Schlaffer
11:00 - 11:30

Intervalo

Debate Global

Socialismo do século XXI: lições da América do Sul?

Num mundo em que a eficácia e sustentabilidade do modelo capitalista e das instituições tradicionais são cada vez mais postas em causa, tanto os teóricos políticos como os cidadãos têm procurado novas alternativas. Uma reformulação da teoria socialista adaptada às necessidades do século XXI tem-se tornado, por isso, apelativa. Apesar de termos necessidade de um modelo capaz de resolver os nossos problemas de justiça global, conhecemos bem os riscos de uma sociedade estatista que retira aos seus cidadãos a capacidade de agência e participação política. Os casos de socialismo democrático da América Latina são os mais recentes exemplos dos perigos da promessa socialista. Será que a teoria socialista alguma vez se poderá materializar numa experiência política de sucesso?

Presidente da República Oriental do Uruguai 1990-1995 (Uruguai)

Presidente da República da Bolívia 2003-2005 (Bolívia)

Presidente da República da Bolívia 2001-2004 e Membro do Clube de Madrid (Bolívia)

Jornalista e Diretor do El Nacional (Venezuela)

Jornalista e Editor de Política no Observador (Portugal)

Moderador

Pedro Benevides
Miguel Henrique Otero
Carlos Mesa
Jorge Quiroga
Luis Alberto Lacalle
13:00 - 14:00

Almoço

Debate

Justiça de Género: Pensar na Paridade à Escala Global

Este painel aborda a relação entre justiça global e as mais recentes reivindicações pela igualdade de género. Nas sociedades contemporâneas, os movimentos de mulheres têm estado na linha da frente da luta contra todo o tipo de discriminação institucionalizada. Organizações e ativistas defendem hoje um feminismo para as 99% e estão cada vez mais comprometidas com outras áreas tais como a ética global, os direitos humanos, estudos sobre a deficiência, bioética, alterações climáticas, e desenvolvimento internacional, valorizando uma análise interseccional das opressões. O que pode o feminismo global fazer por um mundo verdadeiramente justo?

Chefe da Unidade de Planeamento de Políticas no Gabinete do Secretário Geral da NATO (Itália)

Fundadora e Diretora da ONG Women Without Borders (Áustria)

Colunista do Observador (Portugal)

Advogada, Empreendedora Social e Membro do Conselho Consultivo Internacional das Conferências do Estoril 2019 (Arábia Saudita)

Diretor Executivo do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa (Portugal)

Moderator

Sofana Dahlan
José Velez Caroço
Maria João Marques
Edit Schlaffer
Benedetta Berti

Debate Global

De volta ao essencial: Democracia e a Luta contra a Corrupção

A corrupção permanece um dos maiores desafios nas nossas democracias, impedindo que as pessoas vivam dignamente sob a proteção consagrada dos seus Estados. Devido ao seu impacto negativo na defesa dos direitos humanos e do desenvolvimento social, a persistência do problema leva-nos a questionar os próprios modelos políticos sob os quais vivemos. Por isso, para além de analisar medidas para travar a corrupção, os oradores irão também discutir as mudanças estruturais necessárias para erradicar o problema. Será possível encontrar modos alternativos de participação política que permitam um maior escrutínio das atividades governamentais e o combate efetivo à corrupção?

Ministra da Justiça de Portugal (Portugal)

Ministro da Justiça e Segurança Pública do Brasil (Brasil)

Ministra da Justiça e Trabalho de Cabo Verde (Cabo Verde)

Procuradora-Geral da República Portuguesa 2012-2018 (Portugal)

Jornalista e Diretor de Informação da SIC (Portugal)

Moderador

Primeira-Ministra do Senegal 2013-2014, Membro do Clube de Madrid & Relatora Especial das Conferências do Estoril 2019 (Senegal)

Chair

Ricardo Costa
Aminata Touré
Francisca Van Dunem
Janine Lélis
Sérgio Moro
Joana Marques Vidal

Chamada à Ação

A responsabilidade humana de mudar o mundo

Pensar em injustiça global é também reconhecer a contingência de termos nascido num lugar específico, num tempo particular, num contexto peculiar. Reconhecer o privilégio é, por isso, o primeiro passo para nos sentirmos responsáveis pelo bem-estar dos outros, nomeadamente aqueles que circunstancialmente se encontram em posições mais vulneráveis. Mas como podem entidades individuais e coletivas efetivamente abolir desigualdades estruturais? Quais são as formas mais poderosas de alcançar mudanças reais?

Presidente da República do Malawi 2012-2014 e Membro do Clube de Madrid (Malawi)

Fundadora da Fundação African Children’s Aid Education and Development e do Centro para Crianças Land of Hope na Nigéria e Membro do Conselho Consultivo Internacional das Conferências do Estoril 2019 (Dinamarca)

Chair

Anja Ringgren Lovén
Joyce Banda
17:00 - 17:30

Intervalo

Diálogo Global

Novos muros no 30º aniversário da Queda do Muro de Berlim

As repercussões das guerras mundiais tiveram um efeito pervasivo na forma como os indivíduos concebem a justiça e a paz, e a sectarização ideológica potenciada pela cortina de ferro ainda hoje é sentida. Porque novos muros são hoje erguidos por todo o mundo, devemos ponderar a possibilidade de os atores políticos colocarem as suas diferenças de lado, de forma a chegar a um consenso relativamente a questões fundamentais de justiça global. Devemo-nos questionar o que pode ser feito para expor a retórica demagógica por detrás do discurso de ódio, ao mesmo tempo que procuramos soluções para as necessidades concretas das pessoas. O que mudou realmente desde os eventos trágicos do século XX e desde a queda do Muro?

Presidente da República da Letónia 1999-2007 e Presidente do Clube de Madrid (Letónia)

Ministra do Estado para a Reconciliação e Igualdade Cívica da Geórgia (Geórgia)

Prémio Nobel da Literatura 2015 (Bielorrússia)

Escritor e Correspondente Especial do Los Angeles Times na Alemanha (Estados Unidos)

Moderador

Secretária-Geral do Clube de Madrid (Cuba)

Chair

Ketevan Tsikhelashvili
Maria Elena Agüero
Svetlana Alexievich
Vaira Vīķe-Freiberga
Erik Kirschbaum

Keynote Especial

Um Panorama Global com Fareed Zakaria

As sociedades contemporâneas são cada vez mais dependentes das suas relações externas e alianças, e é hoje inconcebível que uma nação tome decisões isoladamente. Há muito que os EUA se tornaram uma grande potência na arena internacional, pelo que uma análise da sua política externa constitui um bom ponto de partida para perceber a dinâmica política internacional. Contamos com a presença de Fareed Zakaria, que irá examinar os mais recentes desenvolvimentos sociopolíticos nos EUA e no mundo, ajudando-nos a compreender a nossa comunidade global. Que tipo de responsabilidades tem uma nação para com a promoção da justiça global no resto do mundo?

Jornalista e Apresentador do programa Fareed Zakaria GPS da CNN (Índia, Estados Unidos)

Jornalista, Apresentador do Telejornal da RTP e Correspondente de Guerra (Portugal)

Moderador

José Rodrigues dos Santos
Fareed Zakaria

Da teoria à ação: construir o Mundo com que sonhámos

Durante o último dia de conferências, procuraremos enfatizar a dimensão prática do tópico sob debate, tentando encontrar soluções reais para problemas de injustiça global. Estes incluem situações que afetam pessoas em todo o mundo, mas também questões que não podem ser resolvidas sem recurso à ação coordenada e à implementação de políticas transnacionais. Os painéis irão discutir possíveis respostas a problemas relacionados com a tecnologia, a pobreza extrema, as alterações climáticas e abusos de direitos humanos que afetam as pessoas em todo o mundo.
08:00 - 09:00

Acreditação

Debate

Crises em tempo de crise: entre segurança e direitos humanos

A guerra e o conflito estiveram sempre presentes na história da humanidade. Porém, os atuais problemas ambientais, económicos e tecnológicos exacerbam as dificuldades vividas em contextos sociopolíticos frágeis. Para além disso, os conflitos contemporâneos são exponenciados por uma conjuntura global que possibilita uma circulação de armas, informação e pessoas sem precedentes, motivando a intervenção da comunidade internacional. De que forma se podem harmonizar políticas de segurança regionais com a assistência humanitária e a proteção de direitos fundamentais à escala global?

Professora Auxiliar na UAL e no ISCTE – IUL & Investigadora no OBSERVARE e CEI-IUL (Portugal)

Membro do Instituto Internacional de Contra-Terrorismo e Ex-Deputado do Knesset (Israel)

Diretor da European Public Law Organization (Grécia)

Chefe de Equipa de Imprensa e Media na Representação da Comissão Europeia em Portugal (Portugal)

Moderador

Professor de Relações Internacionais na Universidade Hebraica de Jerusalém e Membro do Conselho Consultivo Internacional das Conferências do Estoril 2019 (Israel)

Chair

Arie Kacowicz
Ronen Hoffman

Debate

Justiça Ambiental: Alerta a uma ação urgente

A emergência climática é um dos temas mais transversais à agenda global. A sua urgência deve-se ao agravamento do problema, que está já a afetar diretamente milhares de pessoas em todo mundo, epitomando todas as outras dimensões da justiça global – desde a desigualdade económica ao desenvolvimento tecnológico. Acompanham-na questões relacionadas com a distribuição justa de recursos naturais, incluindo a implementação de mecanismos de compensação, e com a responsabilidade intergeracional. Quem deve ser responsável por desacelerar o aquecimento global e qual é o curso de ação a seguir?

Ministra do Mar de Portugal (Portugal)

Vereadora da Câmara Municipal de Cascais nas Áreas de Qualificação Ambiental, Alterações Climáticas, Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, Cidadania e Participação (Portugal)

Surfista Profissional e Ativista Ambiental (Estados Unidos)

Subdiretora de Informação na SIC (Portugal)

Moderador

Professora Associada de Economia na Nova School of Business and Economics (Portugal)

Chair

Joana Balsemão
Garrett McNamara
Cátia Batista
11:00 - 11:30

Intervalo

Debate Global

Prémios Nobel discutem a Pobreza Global – o maior crime contra a humanidade?

Neste painel, três oradores laureados com o Prémio Nobel irão discutir um dos mais prementes problemas de justiça global: a pobreza extrema no mundo inteiro. Porque se torna cada vez mais evidente que as nações têm os recursos necessários para unir esforços e erradicar a pobreza global, é necessário analisar os motivos para a sua prevalência em pleno século XXI. Que tipo de interesses entram em jogo quando se trata de criar um mundo em que todos tenham as mesmas oportunidades e condições materiais? Será que está mesmo nas nossas mãos acabar com a pobreza global de uma vez por todas?

Prémio Nobel da Economia 2006 (Estados Unidos)

Cofundador dos Médicos sem Fronteiras e dos Médicos do Mundo e Prémio Nobel da Paz em 1999 (França)

Ativista dos Direitos Humanos e Prémio Nobel da Paz 1992 (Guatemala)

Correspondente da Reuters em Portugal (Noruega)

Moderador

Diretor e Professor Catedrático da Nova School of Business and Economics (Portugal)

Chair

Bernard Kouchner
Daniel Traça
Rigoberta Menchú Tum
Edmund Phelps
13:00 - 14:00

Almoço

Keynote Especial

A crise da democracia: do medo à esperança?

A ascensão dos chamados partidos populistas deve ser levada a sério e encarada como um sinal de que as pessoas se sentem enganadas e traídas pelo Estado e pelas elites tradicionais de um modo que transcende a própria ideologia, levando-as a apoiar políticas nacionalistas, xenófobas e misóginas. A proliferação de regimes democráticos iliberais por todo o mundo introduz questões relativas à forma como a democracia é concebida. Por isso, devemos perguntar: que tipo de mudanças são necessárias para que a democracia prevaleça e possa defender direitos e necessidades fundamentais?

Colunista do The Washington Post e Prémio Pulitzer de Não-Ficção 2004 (Estados Unidos, Polónia)

Professora Auxiliar Convidada na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (Portugal)

Moderador

Diretora das Conferências do Estoril (Portugal)

Chair

Raquel Vaz-Pinto
Teresa Violante
Anne Applebaum

Keynote Especial

Globalização vs. Novas Alternativas

É hoje inconcebível para uma nação projetar o seu futuro isoladamente. A globalização conectou a humanidade através da cooperação, colaboração, inclusão e um sentido de responsabilidade partilhada num mundo que construímos em conjunto, procurando encontrar coletivamente respostas para desafios globais. No entanto, a distribuição de riqueza está longe de ser justa, e alguns de nós foram deixados para trás. Novas narrativas surgem apresentando modelos alternativos de governação e organização um pouco por todo o mundo, inspirados por medos e necessidades que todos partilhamos. Mas será que a globalização ainda é a resposta ou serão estas alternativas capazes de alcançar um mundo melhor?

Primeiro-Ministro da Bélgica 1999-2008 e Presidente da Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa no Parlamento Europeu (Bélgica)

Jornalista e Editor de Internacional do Expresso (Portugal)

Moderador

Diretora da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa (Portugal)

Chair

Guy Verhofstadt
Mariana França Gouveia
16:45 - 17:15

Intervalo

Diálogo Global

Tecnologia e democracia: rumo a uma globalização responsável

Não obstante os avanços que a tecnologia trouxe às sociedades industrializadas no último século, também originou desafios sem precedente para a humanidade. O acesso à tecnologia permanece altamente desigual à escala global, exacerbando disparidades entre países. Por outro lado, as nações mais prósperas confrontam-se hoje com questões relacionadas com a sua extrema dependência na tecnologia e há uma crescente preocupação com o futuro do trabalho em sociedades em que tal dependência é cada vez mais preponderante. A tecnologia está inegavelmente a reconfigurar o modo como as pessoas partilham informação e expressam a sua vontade enquanto cidadãos, mas estará a prejudicar a democracia global ou pode ajudar a salvá-la?

Chefe de Representação da Comissão Europeia em Portugal (Portugal)

Escritor e Jornalista (Reino Unido)

Jornalista do Dinheiro Vivo (Portugal)

Moderador

Subdiretor da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa (Portugal)

Chair

João Tomé
Francisco Pereira Coutinho
Sofia Colares Alves
Jamie Bartlett

Painel de Plenário

Lições do Passado

A capacidade de fazer conexões entre o passado e o presente, de examinar as peculiaridades do seu próprio tempo contra o valor reconhecido da história, permite aprender com o passado e preparar um futuro mais forte. Contando com a sua singular compreensão do mundo da política e governação, antigos líderes políticos do século XXI irão partilhar a sua experiência e perspetiva sobre as formas atuais de governo, analisando a sua adequação aos desafios que se esperam de um mundo globalizado. Que lições do passado podemos transportar para a construção do nosso futuro coletivo?

Primeiro-Ministro de Portugal 2002-2004 e Presidente da Comissão Europeia 2004-2014 (Portugal)

Primeiro-Ministro de Espanha 2004-2011 e Membro do Clube de Madrid (Espanha)

Vice-Presidente da Câmara Municipal de Cascais (Portugal)

Moderador

José Luis Zapatero
José Manuel Barroso
Miguel Pinto Luz

Relatório Especial sobre a 6ª Edição das Conferências do Estoril

Na sua 6ª edição, as Conferências do Estoril nomearam uma Relatora Especial, encarregue da monitorização dos três dias de encontros e discussões. Assinalando o fim das nossas sessões de debate, este é o momento para refletir no nosso diálogo global.

O relatório irá sintetizar de modo geral as conclusões dos debates, sublinhando os nossos pontos de convergência e promovendo reflexão aprofundada sobre questões em que divergimos. O nosso objetivo é ter contribuído de forma positiva para a discussão relativa ao nosso futuro coletivo.

Primeira-Ministra do Senegal 2013-2014, Membro do Clube de Madrid & Relatora Especial das Conferências do Estoril 2019 (Senegal)

Aminata Touré

Cerimónia de Encerramento

Ministro das Finanças de Portugal e Presidente do Eurogrupo (Portugal)

Presidente da Câmara Municipal de Cascais (Portugal)

Reitor da Universidade Nova de Lisboa (Portugal)

Mário Centeno
João Sàágua
Carlos Carreiras